PUB

Economia

BCV com situação financeira “algo difícil”

A situação financeira do Banco de Cabo Verde (BCV) é “algo difícil”, deixou entender o recém indigitado governador desse organismo de supervisão bancária à saída da sua audição parlamentar há uma semana. João Serra admitiu haver, também, problemas com a sustentabilidade do fundo de pensões do Banco Central.
Questionado sobre as quezilas internas que provocaram um “confronto” entre os trabalhadores do BCV e o seu antecessor, Carlos Burgo, o novo titular, que diz desconhecer os meandros dessa controvérsia, garantiu, no entanto, que vai procurar envolver todos os colaboradores na vida do banco, tentando implementar os instrumentos de gestão existentes, de forma “mais coerente e objectiva possível”.
“Mas também terei que propor medidas que achar convenientes para a garantia da sustentabilidade de alguns instrumento existentes no banco”, acrescentou Serra, sem deixar de reconhecer que a situação financeira no BCV não é a melhor.
“Sei que o BCV está numa situação financeira algo difícil, sei também que o fundo de pensões do banco, segundo informações, poderá não ser sustentável”, frisou o novo governador do BCV.
Serra disse acredita que, com “uma boa comunicação” junto dos colaboradores será possível “tomar as medidas que se impõem para a garantia do próprio posto de trabalho e das regalias, ou se quiser, dos direitos adquiridos”.
DESAFIOS
João Serra disse, também, que o reforço da função de supervisão, a criação de mecanismos de garantia de depósitos e de resolução das crises bancárias, são prioridades no seu consulado como governador do banco central. E, para isso, defende o reforço uma supervisão, que, na sua perspetiva, é uma responsabilidade “importante” para se garantir o normal funcionamento do sistema financeiro, a liquidez e a solvência do mercado financeiro.
Outro desafio, sublinhou, tem a ver com a criação de alguns instrumentos que ainda não existem e que deixam alguma falta, como são os casos dos mecanismos de garantia de depósitos e da resolução das crises bancárias. “Nos países europeus, por exemplo, caso um banco vá à falência os depósitos até certos valores estão garantidos por lei, porque há um fundo de garantia directa que não dispomos. Vamos ter que trabalhar isso e propor ao Governo um diploma neste sentido”, salientou, deixando a entender que essa poderá ser uma das suas prioridades.
O objectivo, segundo o novo governador do BCV, é trabalhar com o intuito de ter um sistema financeiro adequado à realidade dos novos tempos aos quais Cabo Verde não pode ignorar.
O antigo ministro das Finanças, João Serra, que já tinha sido convidado anteriormente pelo Governo para o cargo de Governador de BCV, e declinado por razões de saúde, disse que resolveu mudar de opinião aceitando o cargo depois da polémica instalada à volta da indicação do ex-ministro da Indústria Humberto Brito.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top