PUB

Economia

São Vicente: Plataforma de frio só em Fevereiro

A plataforma de frio do Mindelo, projectada para refrigerar 3.700 toneladas de pescado, carnes e legumes, só ficará pronta em Fevereiro próximo. Fica, uma vez mais, adiada a inauguração do complexo cujas obras deveriam estar concluídas em finais do passado mês de Outubro e que os operadores aguardam desde 2008, quando um incêndio destruiu a infra-estrutura de frio então existente.
O presidente do Conselho de Administração da Enapor, empresa que gere os portos do país, confirmou ao A NAÇÃO o adiamento da entrega da obra por parte do empreiteiro por causa de alguns ajustes finais na plataforma. Franklim Spencer informa que ainda no primeiro trimestre do próximo ano tudo deve ficar concluído.
Ou seja, só dois anos depois a plataforma de frio, cujas obras arrancam em Fevereiro de 2013, poderá começar a servir operadores nacionais e estrangeiros ligados à pesca e à importação de congelados que há muito aguardam a infra-estrutura.
A cada atraso a ansiedade de quem espera o complexo, que se desdobra por quatro edifícios, só aumenta. Há razões que justificam tal aflição. Desde logo porque, além da espera já ir longa, a ilha de São Vicente e as vizinhas ficarão servidas com um completo de uma capacidade projectada para refrigerar 3.700 toneladas de pescado, carnes e legumes, distribuídos por câmaras de diversos tamanhos.
Há locais para armazenamento de peixe, de tratamento e congelação de produtos perecíveis, de processamento e tratamento de pescado e fábrica de gelo, para além de um edifício para escritórios. E quando estiver a laborar a 100% da capacidade deve criar centenas de empregos, o que é sempre motivo de regozijo numa ilha onde o desemprego grassa.
Outrossim, a plataforma de frio será mais uma funcionalidade que se espera fazer movimentar o Porto Grande, já que, com a sua capacidade de armazenagem, pode atrair o transbordo de pescado na ilha de São Vicente por parte de navios estrangeiros que pescam ou passam pelas águas de Cabo Verde.
CONCORRENTES À ESPERA
A plataforma será entregue a privados e para isso a Enapor lançou, em Setembro último, um concurso para a concessão de gestão do complexo. Ao que tudo indica concorrem quatro consórcios, que aguardavam uma decisão para início deste mês de Dezembro. Entretanto, o PCA da Enapor garante que o concurso ainda está a decorrer e o resultado será publicado no início do próximo ano.
Sabe-se que o concurso está desenhado em duas fases para um período de concessão de 10 anos. Na primeira, os interessados manifestaram o desejo de concorrer à gestão do complexo através de uma “proposta indicativa”, na qual juntaram a ideia de como pretendiam prestar o serviço público na plataforma. Na segunda fase, a Enapor tinha a responsabilidade de elaborar um caderno de encargos e convidar os pré-seleccionados a apresentarem as suas propostas técnicas finais e financeira de exploração.
Os interessados esperam o resultado do concurso para quão logo, de modo a que assim que a plataforma esteja concluída não haja mais delonga em pô-la a funcionar. Mesmo porque é quase unânime a ideia de que esta infra-estrutura construída de raiz representa para não só S. Vicente como Cabo Verde no seu todo um ganho em competitividade e geração de novos negócios. Por aí passa também do fomento do propalado Cluster do Mar.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top