PUB

Política

“Turcos” de Janira podem provocar “rombos” no Governo

As directas, que conduziram a eleição de Janira Hopffer Almada (JHA) como novo líder do PAICV, está a causar danos colaterais que, se não forem sanados a tempo, podem causar situações de difícil controlo. Além de cargos de ministro colocados à disposição, há destacados dirigentes do partido, que, agastados com o posicionamentos dos “turcos” de JHA, ponderam entregar o cartão de militante.
Mal foi declarada a vitória de Janira Hopffer Almada como nova presidente do PAICV, sugiram logo reacções que davam conta de um hipotético mal-estar no seio dos “tambarinas”. Uma delas foi feita pela deputada e apoiante de Felisberto Vieira, Dúnia Pereira, que num “post” no “Facebook” denunciou um “ambiente de caça às bruxas” no seio do partido.
Depois seguiu-se o posicionamento de Cristina Fontes Lima, candidata que obteve apenas 8,45% dos votos, a colocar o cargo de ministra-adjunta e da Saúde à disposição deo Primiero-Ministro, José Maria Neves (JMN). A mesma atitude foi tomada pelos ministros das Relações Exteriores, Jorge Tolentino, da Administração Interna, Marisa Morais, e das Infra-estruturas e Economia Marítina, Sara Lopes.
Segundo uma fonte muito próxima da candidatura de Cristina Fontes Lima, este posicionamento deveu-se à atitude de “desrespeito e de humiliação” que “vem sendo adoptada pelos “turcos” de Janira, em diversos meios”.
Numa curta explicação em relação à sua decisão de colocar o cargo de governante à disposição ao Primeiro-Ministro, Cristina Fontes Lima disse que entendia agir de forma consequente, facilitando as acções do Chefe do Executivo, tendo em conta os resultados eleitorais no partido. “Entendo que o PAICV é uma coisa e o Governo é outra, mas acho que devo facilitar as condições para termos, de facto, uma sequência normal”, disse Lima.
EM AVALIAÇÃO
JMN revelou, no entanto, que está a avaliar pedidos de demissão ou de ministros que puseram seus cargos à disposição na sequência dos resultados das eleições internas no PAICV. “Neste momento estamos a avaliar os pedidos existentes e no momento próprio falarei sobre esta matéria”, frisa Neves.
Entretanto, uma outra fonte, desta feita próxima de JHA, é de opinião que os pedidos de demissão desses governantes “não são autênticos”, isto é, “trata-se de uma manobra no sentido de verem se saem reforçados com um eventual voto de confiança do Primeiro-Ministro”.
VIDA DIFÍCIL PARA JANIRA
Janira Hopffer Almada, que ainda não sabe se acumulará, ou não, o cargo de líder do PAICV com o de governante, deixou bem claro que criará todas a condições para que JMN conclua o seu mandato de primeiro-ministro com “sucesso”.
Entretanto, pode optar por se dedicar exclusivamente ao partido, um cenário que não descarta, porquanto, a seu ver, seria uma possibilidade se houver a necessidade de preparar a máquina do PAICV para os próximos pelitos eleitorais de 2016.
Se decidir por esta opção, JHA teria a assumir a sua condição de deputada, uma situação que a colocaria numa condição de subalternidade em relação ao líder parlamentar, Felisberto Vieira, para além de um certo desconforto que provocaria no seio dos deputados próprio grupo parlamentar, que, na sua maioria, não apoiaram a sua candidatura.
PRIORIDADE
Uma outra solução seria a assunção do cargo de vice-Primeiro-Ministro, uma possibilidade também descartada por JHA na entrevista que nos concedeu. “Para quê e por quê? A minha prioridade enquanto líder eleita de ser o fortalecimento do partido. Concentrarei todas as minhas energias no trabalho para esse fortalecimento, para que o PAICV esteja em condições de vencera as eleições de 2016. Nós não estamos numa coligação entre forças partidárias diferentes. Somos do mesmo partido e, por isso, a minha prioridade será trabalhar para fortalecer o PAICV e garantir a vitória do nosso partido em 2016”.
Portanto, as ondas de choque e os danos colaterais no PAICV não param. Pelo contrário, continuam. E como José Maria Neves e Janira Hopffer Almada (mas também Felisberto Vieira) pretendem ultrapassar este estado de nervosismo e ebulição é algo que ainda não se sabe muito bem. Isto porque todos parecem esperar pelo fim da quadra festiva e quiçá pela realização do congresso para pôr o comboio nos trilhos. A tarefa não se mostra nada fácil.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top