PUB

Política

Atentado a José Luís Neves provoca demissões na PN

O atentado a José Luís Neves, filho do primeiro-ministro José Maria Neves, já começou a provocar “danos colaterais”. Algumas chefias da Polícia Nacional (PN) foram demitidas e está em curso a mudança no corpo e no sistema de segurança do chefe do Governo.
O velho ditado diz que “a corda sempre arrebenta no lado mais fraco” e, logo no rescaldo do atentado contra José Luís Neves, caíram duas cabeças na PN. O intendente Benvindo Monteiro, comandante da Unidade Especial que agrupa o corpo de intervenção e procteção de entidades, foi o primeiro a ser exonerado na sequência desse atentado.
De seguida foi a vez do subintendente Elias Silva, comandante da unidade de protecção de entidades, a receber ordens de demissão do cargo. Essas demissões foram, no entanto, contestadas por graduados dessas duas unidades, que consideram que nada têm a ver com a situação que originou o atentado a JLN.
“Até o fatídico dia, ninguém nos tinha solicitado qualquer tipo de protecção a filho e ou parente de qualquer entidade”, refere a nossa fonte, sublinhando que “nunca” lhes foi informado que quem quer que seja estivesse sob ameaças. “Se houve falhas elas devem ser assacadas, no mínimo, aos Serviços de Informação, que nunca alertaram para essa eventualidade”.
O nosso interlocutor lembra ainda que, desde a independência a esta parte, apenas a filha de um alto dignitário cabo-verdiano teve direito à proteção.
A NAÇÃO sabe que os dois visados vão acatar os despachos de demissão dos respectivos cargos, mas desde que mesmos não façam qualquer alusão à questão de “incompetência”, porquanto “se houve incompetência, ela deve ser assacada a outras pessoas, nomeadamente à ministra da Administração Interna”.
MEXIDA NO CORPO DE SEGURANÇA DO PM
Embora se tenha invocado o motivo de doença do actual chefe de segurança do comissário Fortunato Gomes, para fazer a mudança do corpo de segurança, A NAÇÃO sabe que os recentes acontecimentos levaram a JMN a propor o regresso do seu antigo chefe de segurança, o comissário Teotónio Furtado, que tinha sido afastado do cargo por ordem da ministra Marisa Morais.
Teotónio, que tinha recebido um louvor, por escrito, do PM, foi transferido para Santa Catarina do Fogo, mas acabou por ser colocado na esquadra da Calheta, por causa de um protesto dos seus camaradas, que consideravam que essa transferência era penalizadora para um oficial “exemplar” que estava no fim da carreira.
Teotónio Furtado deverá ser coadjuvado, no seu regresso à chefia da segurança do PM, pela comissária Letícia Tavares, que desempenhou as funções de segurança da ex-primeira dama Adélcia Pires.
SEGURANÇA APERTADA NO PALÁCIO DO GOVERNO
A entrada no Palácio do Governo está agora sujeita a novas regras de segurança. Qualquer cidadão, mesmo jornalista, passa a estar sujeito à revista, incluindo identificação, sobretudo quando se dirigir ao Gabinete do Primeiro-ministro.
De acordo com a assessoria do Governo, no que toca ao Gabinete do Primeiro-ministro, a partir de agora, as pessoas são obrigadas a passar por uma revista dos objectos e pertences à entrada do dito espaço pelo agente da polícia responsável por aquela entrada.
Até aqui a entrada no Palácio do Governo passava por simples identificação do interessado. Este reforço da segurança prende-se, como é óbvio, aos últimos acontecimentos que aconteceram em Cabo Verde.
Uma análise de todo o sistema de segurança das entidades cabo-verdianas levou à conclusão que no país inexistiam regras rígidas de segurança. Até aqui era comum ver altas figuras do Estado em normal circulação e cavaqueira com populares, o que muito espantava os estrangeiros que visitavam este arquipélago. Ao que parece isto acabou.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top