PUB

Política

PAICV congratula-se por a percepção de corrupção ser menor em Cabo Verde entre os PALOP

O PAICV congratula-se com o facto de Cabo Verde ser entre os PALOP o Estado onde a percepção da corrupção é menor, ocupando a 42ª posição do ranking da Transparency International, num total de 174 países avaliados.
Em nota de imprensa através do seu secretariado-geral, o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV-no poder), referiu hoje que tomou conhecimento, “com bastante satisfação”, do relatório elaborado pela Transparency International sobre o Índice de Percepção da Corrupção, referente ao ano de 2014.
Neste ranking publicado pela Transparency International, Cabo Verde destaca-se, mais uma vez, entre os PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa), apresentando uma percepção da corrupção “bem menor em comparação com os restantes quatro países deste grupo” (Angola, São Tomé e Príncipe, Moçambique e Guiné-Bissau).
No lugar 42 do ranking 2014 num total de 174 países avaliados, com uma classificação de 57 pontos, apesar de ter descido em relação a 2013 em que obteve 58 pontos, a nível do continente africano, apenas o Botswana está à frente do arquipélago, na 31ª posição, sendo que as Seicheles aparecem logo depois, no lugar 43.
Em relação à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) somente Portugal está à frente de Cabo Verde, no lugar 38, seguido do Brasil, no lugar 69, São Tomé e Príncipe, no posto 76, Moçambique em 119, Timor-Leste em 133, Angola e Guiné-Bissau em 161.
Segundo o PAICV, o índice de percepção da corrupção é “condicionado” por um conjunto de factores que “exigem uma acção articulada e sintonizada” não só do Governo central e local e da sociedade civil, no que tange ao “reforço da cidadania, implementação de reformas e desburocratização da administração pública central e local”.
O “aumento do nível de transparência e combate a todo o tipo de tráfego de influências” são outras ações que segundo o PAICV deve ser levado a cabo, mas também indica os tribunais, que têm um “papel importante na prevenção e punição dos actos que podem configurar corrupção activa ou passiva”.
“O PAICV exorta os poderes públicos a continuar a acelerar o processo de implementação de reformas e a reforçar essa relação de confiança com os cidadãos, de modo a influenciar positivamente a evolução do posicionamento de Cabo Verde no ranking internacional”, pediu.
A liderar o ranking da Transparency International sobre o Índice de Percepção da Corrupção, referente ao ano 2014, está a Dinamarca em primeiro lugar, seguida pela Nova Zelândia, Finlândia, Suécia, Noruega, Suíça, Singapura, Holanda, Luxemburgo e Canadá.
Ao elaborar este índice, a Transparency International (uma organização não-governamental, que tem como principal objectivo a luta contra a corrupção, fundada em Março de 1993 e sediada em Berlim, Alemanha), pretende saber qual é a percepção da corrupção que existe do sector público, sendo que os países são classificados com pontuações que variam entre os zero (muito corrupto) e os 100 (muito limpo).
Fonte: Inforpress

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top