PUB

Mundo

Conselho de Segurança da ONU manifesta preocupação com situação na Guiné-Bissau

“Os membros do Conselho de Segurança expressaram preocupação com os desenvolvimentos em curso no país. Apelaram aos líderes para dialogarem e chegarem a um consenso para a resolução da crise que sirva os interesses do povo da Guiné-Bissau”, refere um comunicado divulgado no final do encontro do Conselho de Segurança.
A situação na Guiné-Bissau foi hoje discutida no Conselho de Segurança, que tentou perceber melhor o levou o Presidente guineense, José Maria Vaz, a derrubar o Governo, sem apoios visíveis dentro ou fora do país e sob contestação interna de forças políticas e organizações da sociedade civil.
Num comunicado, o Conselho de Segurança da ONU pede a todas as partes para permanecerem “calmas” e apelou às forças de segurança, sociedade civil e líderes políticos para “continuar a agir de forma pacífica em conformidade com a Constituição e o Estado de Direito”.
O Conselho de Segurança “salientou a importância da não interferência das forças de segurança na situação política da Guiné-Bissau”.
“Os membros do Conselho de Segurança apelaram às partes para resolver a atual disputa política no interesse da paz na Guiné-Bissau”, sublinha o comunicado, acrescentando que aquele órgão da ONU vai continuar a acompanhar a situação e a “responder apropriadamente”.
O Presidente guineense demitiu esta semana o executivo, liderado por Domingos Simões Pereira, num decreto em que se justifica com quebra mútua de confiança, dificuldades de relacionamento com o chefe do Governo e sinais de obstrução à justiça.
Num discurso à Nação, José Mário Vaz acusou ainda o primeiro-ministro e o Governo de corrupção, nepotismo e de falta de transparência na gestão pública.
Domingos Simões Pereira, antigo secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), disse quinta-feira estar “chocado” pela forma como o Presidente “faltou à verdade”.
O Governo estava em funções há um ano, depois de o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) vencer as eleições com maioria absoluta e de ter recebido duas moções de confiança aprovadas por unanimidade no Parlamento nos últimos dois meses – além de ter o apoio da comunidade internacional.
Apesar de todas as forças políticas e várias entidades, dentro e fora do país, terem feito apelos públicos dirigidos ao Presidente no sentido do diálogo e estabilidade, José Mário Vaz decidiu derrubar o Governo e deverá agora pedir ao PAIGC que indique um novo nome para primeiro-ministro.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top