PUB

Política

Casa para Todos: PM responsabiliza “instabilidade governativa” em Portugal pela paralisação das obras

O primeiro-ministro, José Maria Neves, responsabilizou esta segunda-feira “a instabilidade governativa” em Portugal pela paralisação das obras do programa “Casa para Todos”, financiado ao abrigo de uma linha de crédito portuguesa de 200 milhões de euros.
“Já resolvemos todos os problemas que têm a ver com as transferências dos recursos do Tesouro de Cabo Verde para pagar as contrapartidas necessárias para a execução do projeto. Há alguns bloqueios em Portugal na liberação das linhas de crédito para a continuidade do financiamento e com essa instabilidade governativa que existe tem sido difícil resolver a questão com o Governo de Portugal”, disse José Maria Neves, citado pela Rádio de Cabo Verde.
O primeiro-ministro de Cabo Verde respondeu desta forma quando questionado pela RCV sobre o facto de as obras do programa “Casa para todos” estarem paradas há duas semanas.
José Maria Neves disse ainda acreditar que quando houver “mais estabilidade e melhores condições” será possível “concluir as negociações para que a linha de crédito possa ser desbloqueada e possamos assim garantir o financiamento global desse projeto”
Contactado pela agência Lusa, o embaixador de Portugal em Cabo Verde, Bernardo Lucena, explicou que, apesar de ainda haver fundos na linha de crédito, o prazo da sua execução terminou em janeiro, estando prolongamento da mesma “pendente de uma decisão do Governo português”.
O representante português disse que há contactos entre os executivos dos dois países e mostrou-se convicto que a situação se resolverá a curto prazo.
O programa “Casa para Todos” prevê a construção de 6.000 casas com o objetivo de reduzir o défice habitacional no país, tendo já sido concluídas 2.188, segundo dados da Imobiliária, Fundiária e Habitat (IFH), que gere o projeto.
As casas estão a ser construídas por consórcios de empresas cabo-verdianas (19) e portuguesas (22), como parte das condições negociadas com Portugal.
Com Lusa

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top