PUB

Mundo

Guiné-Bissau: Vice-CEMGFA pede a militares para se afastarem de partidos políticos 

O vice-Chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau (CEMGFA), general Mamadu Turé, pediu aos militares para se afastarem dos partidos políticos, considerando que estes “vão chegar a um entendimento”.

“Vocês esforcem-se, obedeçam e evitem partidos políticos. Esta é a recomendação que vos faço para se afastarem deles e deixá-los, que tarde ou cedo chegam a um entendimento”, afirmou Mamadu Turé – citado pela Lusa.

O general bissau-guineense falava numa cerimónia, que decorreu nas instalações da Marinha, para inaugurar o novo Ginásio das Forças Armadas guineenses, que pode ser utilizado pelo público.

“Que ninguém se envolva em nada, mesmo nada, que ninguém vá por outro caminho, o vosso caminho é o da formação e da capacitação, esse é que é o caminho, isso é o que nos dignifica, o mundo ganha confiança em nós e amanhã seremos reconhecidos e estaremos de parabéns”, salientou o general guineense.

Dois meses depois das Eleições Legislativas de 10 de Março, o novo Primeiro-Ministro (PM) da Guiné-Bissau ainda não foi indigitado pelo Presidente, José Mário Vaz, e o novo Governo também não tomou posse, devido a um novo impasse político, que teve início com a eleição dos membros da Mesa da Assembleia Nacional Popular (Parlamento).

Depois de Cipriano Cassamá, do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), ter sido reconduzido no cargo de Presidente do Parlamento, e Nuno Nabian, da Assembleia do Povo Unido – Partido Democrático da Guiné-Bissau (APU-PDGB) ter sido eleito primeiro vice-Presidente, a maior parte dos deputados guineenses votou contra o nome do coordenador do Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), Braima Camará, para segundo vice-Presidente do Parlamento.

O Madem-G15 recusou avançar com outro nome para o cargo e apresentou uma providência cautelar para anular a votação, mas que foi recusada pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Por outro lado, o Partido de Renovação Social (PRS) reclama para si a indicação do nome do primeiro secretário da mesa da Assembleia.

O Parlamento da Guiné-Bissau está dividido em dois grandes blocos: um, que inclui o PAIGC (Partido mais votado, mas sem maioria), a APU-PDGB, a União para a Mudança e o Partido da Nova Democracia, com 54 deputados, e outro, que juntou o Madem-G15 (segundo Partido mais votado) e o Partido de Renovação Social, com 48.

Em declarações à Imprensa, o Presidente guineense justificou o atraso na nomeação do PM com a falta de entendimento.

“Não temos Primeiro-Ministro até hoje porque ainda temos esperança que haja um entendimento entre partidos políticos na constituição da mesa da Assembleia e porque o Governo é da emanação da Assembleia”, disse.

A situação política naquele País Lusófono da África ocidental tem provocado um aumento da tensão social, principalmente entre as camadas mais jovens da população, que têm exigido a nomeação do PM, bem como a formação do novo Governo.

Na semana passada e novamente na quarta-feira, milhares de jovens apoiantes dos partidos políticos da Maioria Parlamentar e de outras formações políticas sem representação na Assembleia Nacional Popular saíram à rua a exigir ao Presidente guineense a nomeação do PM.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top