PUB

Política

Sevenair tenta entrega de primeiro de dois aviões CASA a Cabo Verde em setembro

O presidente do grupo português Sevenair, Alexandre Alves, disse hoje à Lusa que o primeiro de dois aviões CASA para evacuações médicas em Cabo Verde deverá iniciar a operação em setembro, dependendo do cumprimento de prazos pelos fornecedores.

Segundo o administrador, a concretização dessa garantia contratual está dependente dos fornecedores dos equipamentos das aeronaves, desde que “também cumpram o prazo de entrega dos mesmos”, num processo que tem enfrentado atrasos e que previa, anteriormente, a entrega dos dois aviões em setembro.

A Sevenair assinou em julho de 2018 um acordo com o Governo de Cabo Verde para a troca de um avião Dornier da Guarda Costeira cabo-verdiana por dois CASA C212 Aviocar, propriedade deste grupo português de aviação.

Os dois aviões militares destinam-se, entre outras operações da Guarda Costeira, ao transporte de doentes entre as ilhas cabo-verdianas, mas estão ainda em processo de operacionalização e colocação em estado de voo.

No âmbito do mesmo acordo, a Sevenair alugou a Cabo Verde um avião Jetstream 32, com tripulação, para assegurar o transporte de doentes entre ilhas enquanto os CASA não estão operacionais.

O início desta operação foi abordado na quarta-feira, na Assembleia Nacional, durante o debate do Estado da Nação. Na posição divulgada pelo Governo liderado por Ulisses Correia e Silva, as evacuações internas tiveram “melhorias significativas”, com a “afetação de um avião para o transporte de doentes”.

“Infelizmente, como dependemos de terceiros – fornecedores de equipamentos de aviónica, por exemplo – muitas vezes os prazos previstos são ultrapassados, mas todos estamos a trabalhar no objetivo comum que é ter uma esquadrilha aérea da Guarda Costeira [de Cabo Verde], independente e com meios suficientes para assegurar todas as missões de interesse público”, afirmou o presidente da Sevenair.

De acordo com o administrador, as aeronaves estão neste momento “a sofrer trabalhos de manutenção e de melhoria dos sistemas de aviónica”, conforme prevê o caderno de encargos.

Paralelamente à preparação das aeronaves, está a decorrer em Portugal a formação de técnicos e pilotos da Guarda Costeira de Cabo Verde, bem como o processo de inscrição dos aviões no registo militar cabo-verdiano.

“Do lado da Sevenair tudo estamos a fazer para, em conjunto com a Guarda Costeira, preparar não só as aeronaves, mas as tripulações e técnicos de manutenção, da melhor forma”, sublinhou.

Lusa

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top