PUB

Sociedade

Caso Giovani: cabo-verdiano apresenta queixa contra comentadora Suzana Garcia e TVI pelas declarações de ódio racial

O cidadão cabo-verdiano, que detém também passaporte português, Gilson Varela, apresentou ontem, terça-feira, 7, queixa contra a TVI junto da Entidade Reguladora da Comunicação Social pelos comentários proferidos por Suzana Garcia no programa Voçê na TV emitido no dia 06/01/2020.

Segundo informações avançadas pelo próprio num comunicado enviado ao A NAÇÃO, outra queixa seguiu contra Suzana Garcia, junto da Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial e ainda junto do Alto Comissariado para as Migrações.

Esta quarta-feira,8, Gilson Lopes irá fazer seguir também uma queixa para o Ministério Público de Portugal, para a responsabilização civil e penal de Suzana Garcia, pelas declarações de ódio racial proferidas e da estação TVI S.A por propagar as mesmas.

“Todos os cabo-verdianos devem fazer o mesmo para mostrar a nossa força e união. A memória de Giovani merece respeito e o povo cabo-verdiano merece um pedido formal de desculpas”, explica.

A intervenção de Suzana Garcia, que ao que tudo indica é advogada, e comentadora no programa em questão, tornaram-se virais depois da mesma se ter referido às pessoas que clamavam por justiça para Giovani como “gentalha”. A mesma já está a ser acusada pelos internautas e sociedade civil por promover o racismo.

Está também a decorrer uma petição online da autoria de Milton J. Monteiro, que conta já com 853 assinaturas intitulada “Queremos celeridade e justiça no caso Giovani”.

O caso

Recorde-se que Luís Giovani dos Santos Rodrigues tinha 21 anos e estava em Portugal há menos de dois meses para estudar, quando à saída de uma discoteca no passado dia 21 de Dezembro foi espancado, conforme noticiou a imprensa portuguesa, por um grupo de 15 jovens armados com ferros, cintos e paus. Giovani acabou por falecer já no hospital de Santo António no Porto no dia 31 do mesmo mês, véspera de fim de ano, não tendo resistido aos ferimentos.

Conforme noticia o site Contacto o auto da queixa apresentada pela família indica que eram 4:19 quando Giovani deu entrada no hospital, transportado por um veículo do INEM. O Jovem terá sido encontrado inconsciente, com um hematoma na cabeça, dando indícios de um possível traumatismo cranioencefálico.

Natural de Mosteiros, na ilha do Fogo, em Cabo-Verde, o jovem Giovani era tido como um rapaz pacato, tocava piano na Igreja desde criança, juntamente com dois amigos com quem havia formado uma banda de música tradicional cabo-verdiana. Cursava Designe de Jogos Digitais no IPB.

A embaixada de Cabo Verde em Portugal já reagiu pedindo o esclarecimento cabal do caso, assim como o presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca.

Já o primeiro-ministro de Cabo Verde Ulisses Correia e Silva disse ontem na Praia que tinha confiança na justiça portuguesa e afirmou que o caso de espancamento e morte do estudante cabo-verdiano, Giovani Rodrigues, “não belisca” as relações entre Cabo Verde e Portugal.

Citado pela SIC Notícias, Luís Neves, director nacional da PJ portuguesa disse que aquela instituição está “fortemente empenhada” em dar uma resposta “rápida” e “pronta” sobre o caso e frisou que quer que fique “bem expresso” que estão a “investigar os factos há muitos poucos dias”. Inclusive, ontem alguns dos suspeitos identificados estavam a ser ouvidos pela PJ, não se sabendo para já o desfecho ou conclusão do interrogatório.

Nas redes sociais o caso chocou a opinião pública reclamando-se por justiça. Há também quem critique a falta de visibilidade do caso na imprensa portuguesa, tendo em conta outros casos semelhantes de jovens espancados até à morte em Portugal.

Inicialmente agendada para quatro cidades, Lisboa, Porto, Bragança e Coimbra, a manifestação em homenagem e pedido de justiça pela morte do jovem Giovani, agendada para dia 11, às 15h, rapidamente se estendeu a outras cidades com forte presença de alunos cabo-verdianos como Évora e Covilhã, estando também agendada uma manifestação na cidade da Praia, Sal Rei (Boa Vista) e noutros países da diáspora cabo-verdiana.

O corpo de jovem deverá chegar entre hoje e amanhã, quinta-feira, 9, a Cabo Verde para ser sepultado na sua terra natal, Mosteiros, no Fogo, onde era tido como “um bom rapaz, simpático e amigo”.

GC

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top