PUB

Covid-19

Alerta para a Lusofonia: Cientistas encontram variante “mais transmissível” em Angola

Cientistas Sul-Africanos descobriram a variante “mais transmissível” do novo Coronavírus SARS-Cov-2 na primeira sequenciação genómica, realizada com amostras recolhidas em Angola.

A variante foi descoberta no mês passado – divulga jn.pt -, em três cidadãos tanzanianos, em Angola, disse o professor Túlio de Oliveira, que lidera a equipa de cientistas Sul-Africanos da Universidade do Kwanzulu-Natal, especialistas em inovação e sequenciamento genómico, que realizou o Estudo.

Angola contabilizava 22 mil 579 casos de infecção do novo Coronavírus e 540 mortes associadas à COVID-19 – neste Domingo de Páscoa, 4 -, segundo o Centro de Monitoria Global da Doença Pandémica, da Universidade dos Estados Unidos da América,  “John Hopkins”.

“Quando comparada com outras variantes de preocupação (VOC, na sigla em inglês) e variantes de interesse (VOI, na sigla em inglês), esta é a mais divergente”, disse Túlio de Oliveira, salientando que a descoberta foi relatada como sendo “um novo VOI dada à constelação de mutações com significado biológico conhecido ou suspeito, especificamente resistência a anticorpos neutralizantes e transmissibilidade potencialmente aumentada”.

“Embora tenhamos detectado apenas três casos com esta variante, isto justifica uma investigação urgente, pois, o País de origem, a Tanzânia,  tem uma Epidemia, em grande parte, não documentada e poucas medidas de Saúde Pública em vigor para prevenir a propagação dentro e fora do País”, explicou Túlio de Oliveira ao semanário Sul-Africano, “Sunday Tribune”, que se publica Em Durban.

Os cientistas   Sul-Africanos Da Plataforma de Inovação e Sequenciamento de Pesquisa KwaZulu-Natal (KRISP, na sigla em inglês), sublinharam que a nova variante “não foi ainda reportada em nenhum outro País”, nomeadamente na África do Sul.

O Presidente tanzaniano, John Magufuli, que morreu no mês passado de Doença associada à COVID-19,  segundo a Oposição, negou a existência da Pandemia do novo Coronavírus naquele País da África Austral.

A Tanzânia, com 509 casos de infecção  por COVID-19 e 21 mortes – oficiais -, deixou de divulgar novos casos de infecção e óbitos associados à Pandemia, em Maio de 2020, segundo o Centro de Monitoria Global da Doença Pandémica da Universidade “John Hopkins”.

O Estudo realizado pelos cientistas Sul-Africanos contou com a participação de várias entidades, nomeadamente, O Ministério da Saúde de Angola e3 o África CDC.

PUB

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

PUB

PUB

To Top