PUB

Mundo

Conflito no Médio oriente: Joe Biden pede “desescalada significativa”

Israel continua a bombardear, intensa e desapiedadamente, a Faixa de Gaza (na Palestina), apesar dos Estados Unidos da América (EUA) aumentarem a pressão sobre o aliado, pedindo uma “desecalada significativa”.

Se, por um lado, Washington continua a bloquear no Conselho de Segurança da ONU, uma Resolução exigindo um cessar-fogo imediato – avança o portal pt.euronews.con -, o Presidente Joe Biden disse, num telefonema ao Primeiro-Ministro (PM) israelita, Benjamin Netanyahu, esperar uma “desescalada significativa” do conflito, com vista ao fim das hostilidades.

“Aprecio bastante o apoio do Presidente Norte-Americano, o nosso amigo Joe Biden, à auto-defesa do Estado de Israel. Estou determinado a continuar a Operação até ao objectivo de restaurar a Paz e Segurança aos cidadãos de Israel”, manifesta Benjamin Netanyahu, como que, em contraponto a Joe Biden.

Pressionado a nível externo e interno, o Mandatário dos EUA só manifestou, finalmente, na segunda-feira, 17, o apoio a uma trégua, sem querer, no entanto, impôr um calendário a Telavive, que continua empenhada em reduzir a cinzas a capacidade bélica do Hamas.

Pelo menos 227 pessoas, entre as quais mais de uma centena de mulheres e crianças, já perderam a vida nos bombardeamentos israelitas contra a Faixa de Gaza, segundo as autoridades sanitárias palestinianas.

Israel diz que entre os mortos há, pelo menos, 150 militantes.

Para o Hamas, um cessar-fogo depende do Estado Hebraico.

“Tudo isto colide com a posição e práticas de Israel. No terreno, há contactos contínuos, de ambos os lados, para obter uma acalmia, mas a situação depara-se com a teimosia dos sionistas e da sua determinação em cometer crimes”, acusa Hazem Qassem, porta-voz do Hamas.

Numa frente distinta, novos projécteis lançados desde o Líbano, atingiram, pela primeira vez, o Território Israelita, sem, no entanto, fazer vítimas, de acordo com o Exército. Israel respondeu com tiros de artilharia contra o que descreveu como vários “alvos” no Sul do Território Libanês.

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top