PUB

Mundo

Catástrofe aérea com avião da TAP evitada por pouco

Dois aviões, um da TAP e outro da Ethiopian Airlines, falharam por pouco uma colisão no cruzamento de duas rotas aéreas no espaço aéreo da República Democrática do Congo.

Uma catástrofe aérea foi evitada por pouco sobre o sudeste da República Democrática do Congo (RDC), entre dois aviões da companhia portuguesa TAP e a Ethiopian Airlines, revelaram, no sábado (22) fontes do governo congolês.

Esta “situação de insegurança aérea” revelada por este incidente, segundo as autoridades congolesas, poderia eventualmente ameaçar o futuro das companhias aéreas que sobrevoam o país.

“Informações muito alarmantes na minha posse indicam um risco muito elevado de catástrofe no espaço aéreo do nosso país”, disse a Ministra dos Transportes Cherubin Okende Senga numa carta citada pela AFP.

“Neste caso, na quarta-feira 19 de Maio, dois aviões da Ethiopian Airlines (ETH) e da companhia aérea portuguesa (TAP), em tráfego internacional, falharam por pouco uma colisão no cruzamento de duas rotas aéreas sobre Lubumbashi devido à falta de comunicação entre as tripulações e o aeroporto de Lubumbashi”, explica a carta datada de 20 de Maio e dirigida ao director da Autoridade Aérea Congolesa (RVA).

O avião etíope estava a voar entre Adis Abeba e Windhoek, o avião TAP entre Maputo e Lisboa.

“Ambas as rotas convergem em LUB (Lubumbashi). Ambos os aviões já se encontravam na zona de não separação dentro de dez minutos. Nesta fase, cabia ao RVA (Régie des voies aériennes) determinar frequentemente a posição e a velocidade por meio de ajudas de navegação”, segundo o ministro.

No entanto, acontece que “as antenas de retransmissão em Kalemie e Kamina estavam avariadas, enquanto as condições de escuta do CCR em Lubumbashi eram muito deficientes.

Preocupado com a “gravidade dos factos” e o “risco de catástrofe”, o ministro exigiu “com urgência” um relatório detalhado sobre o incidente, bem como um “relatório detalhado sobre toda a situação do espaço aéreo” da RDC.

Uma segunda carta interna do RVA, datada de 21 de Maio, revela que seis das suas estações estão “fora de serviço” em todo o país. “As antenas de retransmissão em Mbandaka, Kamina e Kalemie avariaram. As de Mbuji-Mayi e Tshikapa foram encerradasvoluntariamente devido a interferências de estações de rádio locais. Isto significa que as rotas aéreas que passam por estas estações não tem apoio com comunicação VHF.

A mesma carta alerta para  “a perda de receitas devido à possível presença de sobrevoos sem contacto via rádio”, com como “consequência de segurança a escolha pelas companhias aéreas de contornar o nosso espaço aéreo, o que conduzirá a uma diminuição do tráfego”. Sem peças sobressalentes disponíveis, “esta situação catastrófica durará” e “desacreditará a gestão segura da navegação aérea no espaço aéreo congolês”, sublinha a carta, que apela a “uma acção urgente e radical” para “tirar o país desta situação de insegurança”.

Com nove países fronteiriços, 2,3 milhões de km² e uma população estimada em mais de 90 milhões, a RDC ocupa uma posição central no continente. O oitavo país mais pobre do mundo, apesar da sua imensa riqueza geológica, o país caiu num ciclo de conflito, violência e crise política há trinta anos atrás, do qual luta para se recuperar hoje, com um Estado em falência ainda atormentado por corrupção crónica e infra-estruturas frequentemente num estado avançado de degradação.

c/ Contacto

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top