PUB

Maio

Agricultores acusam MAA de inércia perante ataque de gafanhotos 

Os agricultores do Maio estão descontentes com aquilo que dizem se tratar de inércia da delegação do Ministério da Agricultura e Ambiente perante o “ataque contínuo” dos gafanhotos nas suas propriedades e acusam esta delegação de não fazer nada para os ajudar.

Este desabafo foi feito à Inforpress, pelo porta-voz dos agricultores do perímetro agrícola de Tambarina, Ineuse Ribeiro, para quem ao sector agrícola na ilha do Maio não tem sido dado a atenção que realmente merece.

Segundo este representante, neste momento, deveriam estar a fazer alguma colheita, mas nem sequer conseguiram fazer a plantação, porque os gafanhotos estão a devorar tudo.

Conforme adiantou, apesar de inicialmente apostarem na plantação de batata doce e de alguma mandioca, os agricultores estão a ver os seus esforços a serem “reduzidos a pó”.

“Depois de muito tempo à espera para termos alguma quantidade de água nos poços para produzirmos, e agora que estamos com uma quantidade razoável, não estamos a poder fazer a plantação de produtos que são apropriados por esta altura, porque estamos a sofrer ataques contínuos dos gafanhotos”, salientou.

MAA “nada tem feito”

Na opinião desse responsável, a Delegação do MAA “nada tem feito” para combater esta praga, alegando que a representação do ministério da agricultura na ilha actua somente em período de chuvas para evitar a propagação.

Aliás, frisou que foram informados que nesta altura não é aconselhável a utilização de agrotóxicos que causam efeitos no ambiente, por isso foi-lhes recomendado a adquirirem um tipo de inseticida biológico.

Mas, na opinião daquele agricultor, este tipo de inseticida não produz efeito perante os gafanhotos, porque já fizeram esta aplicação e não viram qualquer resultado, e, enquanto isso, estão a acumular avultados prejuízos sem que ninguém os ajude a suportar estas perdas.

Situação semelhante em Monte Vermelho 

Situação semelhante está a ser vivida no perímetro agrícola de Monte Vermelho, onde, de acordo com o agricultor Justino Monteiro, nem os viveiros estão a ser poupados pelos gafanhotos.

Por isso, os camponeses estão condicionados a realizar a plantação, embora admita que estão a deparar com pouca quantidade de água que vem sendo fornecida pelo furo local, mas, mesmo assim, poderiam estar a fazer alguma colheita por esta altura.

Sem alternativa, Justino Moreira defende que a única opção é esperar até que os gafanhotos completem o seu ciclo de vida para iniciarem os trabalhos da plantação.

MAA diz não haver razões para acusações

Contactada pela Inforpress, a delegada do MAA disse que depois de ser informada da situação pelos agricultores enviou os técnicos ao terreno para lhes facultarem as orientações técnicas e o tipo de inseticida que deveriam utilizar, assim como colocar à sua disposição os materiais que necessitavam para darem o combate.

Teresa Tavares enfatizou ainda que todo este procedimento respeita as normas que são emanadas pelo MAA, por isso, garantiu que fez tudo o que estava à sua disposição e que considera não existir razão para estas acusações.

C/Inforpress

PUB

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado.

PUB

PUB

To Top