PUB

Brava

Criadores preocupados com o aumento de preço de ração e milho, após três semanas de escassez

Os criadores de gado da Brava dizem-se preocupados e prejudicados com o aumento do preço da ração para os animais, depois de passarem três semanas sem o produto na ilha. Diante do problema gerado pelas irregularidades de transporte inter ilhas, estes apelam a medidas assertivas do Governo para que possam manter os seus animais.

Após mais de três semanas sem ração para a alimentação dos animais na Brava, o único investimento agropecuário (Agropec), na ilha, recebeu por estes dias, alguma quantidade do produto, gerando um movimento maior do que o normal, com muita procura por parte dos criadores.

Zeferino Alves, que tem mais de 80 bovinos, cerca de 40 caprinos, sem contar patos, galinhas e outros animais contou em entrevista à Inforpress que durante este período, ele entre outros criadores sofreram junto com os seus animais que padeceram com a falta de ração e do milho.

Estes, segundo a mesma fonte, tiveram que comprar arroz para cozinhar e dar a alguns animais, e, às vezes, compravam bolacha para alimentar as galinhas e patos. Para as cabras e bovinos, recorriam à palha seca que tinham armazenado e plantas de cardeal.

Entretanto, mesmo com a chegada de ração, os criadores dizem-se preocupados com uma outra questão, a subida dos preços, pelo que apelam à intervenção do Governo.

Zeferino sugere a criação de algum projecto que apoie principalmente os criadores em grande número, justificando que com a seca e sem pasto, sem trabalho, com aumento do preço da ração fica difícil manter as cabeças de gado.

Falta de transporte

Pelo seu turno, Carlos Araújo, proprietário da Agropec, afirmou que os 22 dias sem ração na ilha foi devido à falta de disponibilidade nos meios de transporte, para trazer as cargas até ao destino final.

Conforme explicou, a sua carga encontrava-se no armazém da CV Interilhas, havia algum tempo, mas a informação que sempre recebia era que as cargas seriam enviadas de acordo com a ordem de entrada no armazém.

Neste sentido, pede à CV Interilhas e ao Governo “um pouco mais de atenção” com a ilha Brava, justificando que muitas vezes na ligação Praia – Fogo –Brava, a ilha, em termos de carga é “a mais prejudicada”, pois caso viajem 10 carros, oito são do Fogo e somente dois vão para a Brava.

Stock pode durar uma semana

Carlos Araújo prevê que o stock que a Agropec recebeu na quinta-feira,13, possa durar uma semana. Que no entanto, já no sábado vai encomendar uma nova remessa, na esperança de que dessa vez chegue na ilha ainda a tempo para não causar outra crise.

Relativamente ao preço dos produtos, explicou que antes praticavam um preço fixo, mas com a mudança constante de preços e a falta de milho no país fez com que os produtos fossem vendidos a um preço mais elevado, acreditando que a situação venha a se regularizar em breve, pois assim “dificulta a vida aos criadores”.

De salientar que a falta de milho e ração para os animais não tem sido nos últimos tempos, um constrangimento só da ilha Brava, relembrando que os criadores da ilha do Fogo e do Planalto Leste em Santo Antão enfrentam o mesmo problema.

C/Inforpress

PUB

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top