PUB

Convidados

Guerra Israel-Hamas: Em Gaza, uma solução puramente militar não será suficiente se não conduzir a um projeto político

Por: Josep Borrell*

Pouco mais de três meses sobre a tragédia de 7 de outubro, regressei do Médio Oriente preocupado com a gravidade da situação, mas mais determinado do que nunca em fazer ouvir a voz do equilíbrio, da razão e do realismo. Porque, embora os problemas sejam complexos, a guerra só é inevitável para aqueles que têm interesse político em perpetuá-la.

No contexto atual, há três prioridades. A primeira é evitar a todo o custo que o conflito israelo-palestiniano se estenda ao Líbano. A segunda é aliviar a situação catastrófica em Gaza, retomando ao mesmo tempo negociações sérias para libertar os reféns israelitas. A terceira é preparar o caminho para uma resolução do conflito israelo-palestiniano, começando por pôr fim à violência contra os palestinianos na Cisjordânia. Embora estas três questões tenham obviamente a sua própria dinâmica, na realidade estão totalmente interligadas.

Na fronteira entre o Israel e o Líbano, as trocas de tiros entre o exército israelita e o Hezbollah estão a aumentar. É claro que todos com quem falei estavam convencidos do carácter catastrófico de um conflito. Explodiria um Líbano já sangrento e impediria o regresso das pessoas das fronteiras israelitas e libanesas. Mas a história é testemunha de guerras que rebentam sem serem necessariamente premeditadas. Não existe um conflito territorial insuperável entre Israel e o Líbano.

Além disso, existe uma base jurídica para um acordo. Trata-se da Resolução 1701. Pressupõe um cessar-fogo, a retirada das forças do Hezbollah para trás do rio Litani, o respeito de Israel pelo espaço aéreo libanês e a abertura de negociações indiretas sobre o diferendo territorial entre os dois países, que na realidade tem um alcance limitado. Isto poderia ser feito imediatamente. E a União Europeia está pronta a ajudar.

Uma situação humanitária deplorável

Caso contrário, a conflagração na região será desastrosa e o povo libanês pagará mais uma vez um preço alto. Isto, entre outras razões, aumentará as tensões, encorajará os prevaricadores e atrasará a procura de uma solução para o conflito israelo-palestiniano em Gaza.

É precisamente em Gaza que se situa o epicentro da crise regional. A situação humanitária em Gaza é terrível. Atualmente, mais de 80% da população já foi deslocada dentro da Faixa de Gaza. A prioridade absoluta é impedir qualquer nova deslocação forçada de facto do enclave, o que é juridicamente ilegal à luz do direito internacional e moralmente inaceitável. Só perto da cidade de Rafah, na fronteira com o Egipto, mais de 250.000 pessoas vivem atualmente em condições desumanas.

Temos de aliviar o sofrimento dessas pessoas, acelerando o fluxo de alimentos e, por conseguinte, de camiões, para a Faixa de Gaza. Como sabemos, o número de camiões autorizados a entrar é insuficiente. A sua entrada é dificultada tanto pelo peso dos controlos, como o senador americano Chris Van Hollen pôde constatar no terreno, como pelas condições de segurança. É por isso que é indispensável reduzir a intensidade dos combates e depois suspendê-los. Temos também de contribuir para um regresso gradual a uma economia de dinheiro, se não quisermos que a população continue a depender totalmente da ajuda internacional para sobreviver.

Neste contexto, gostaria de prestar homenagem à Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina, cuja contribuição é absolutamente essencial e em relação à qual as críticas me parecem injustificadas. Pôr em causa o trabalho de uma agência das Nações Unidas é um ato grave. E se aqueles que a criticam têm argumentos, devem apoiá-los com provas. A legalidade internacional não pode ser invocada na Ucrânia e desprezada em Gaza. A legalidade internacional é um todo, e o respeito pelas Nações Unidas é parte integrante desse todo.

Caso contrário, aumentarão as críticas virulentas à duplicidade de critérios. E é a Ucrânia que vai pagar o preço. Ao mesmo tempo, as negociações sobre os reféns israelitas têm de ser retomadas com seriedade. Não é realista que Israel suspenda as suas operações militares sem garantias concretas de que o Hamas libertará os reféns israelitas.

A solução política deve então assumir o controlo. Israel não pode permanecer em Gaza para sempre. E todos sabemos que uma solução puramente militar não será suficiente se não conduzir a um projeto político.

Transformar a tragédia em oportunidade

É por isso que concordo com a sugestão do antigo primeiro-ministro israelita Ehud Olmert de que Israel deve dar prioridade à retirada de Gaza assim que todos os reféns forem libertados. Depois disso, deve ser criada uma Autoridade Palestiniana provisória apoiada pela comunidade internacional. O facto de existirem forças políticas em Israel a favor de uma solução negociada em vez de uma solução puramente militar é encorajador. Prosseguirei o meu diálogo com elas, bem como com as forças palestinianas e árabes.

Durante a minha deslocação à Arábia Saudita, os meus interlocutores concordaram em continuar os esforços conjuntos conduzidos pelos países árabes e pela União Europeia para encontrar uma solução política para o conflito. Devo sublinhar a atitude construtiva de muitos Estados árabes, incluindo a Arábia Saudita, na abordagem das preocupações de segurança de todas as partes, incluindo Israel. A resolução do conflito israelo-palestiniano é o único obstáculo à normalização total entre os Estados árabes e Israel. Existe uma possibilidade real de transformar a tragédia em oportunidade.

Desta vez, um acordo provisório deve ser validado pelo Conselho de Segurança da ONU. Isso dar-lhe-á uma forte legitimidade, tornando-o credível aos olhos da população palestiniana, de Israel e de futuros doadores, nenhum dos quais se comprometerá com a reconstrução de Gaza se não for previamente definida uma perspetiva clara de dois Estados. Existem parceiros credíveis para a paz, tanto em Israel como na Palestina.

No final desta transição, uma solução política global que inclua Gaza e a Cisjordânia deve ser negociada entre Israel e o Estado Palestiniano, com o apoio da comunidade internacional. Isto pressupõe que se ponha termo à colonização na Cisjordânia.

Há duas lições a tirar do fracasso dos Acordos de Oslo de 1993. A primeira é que a solução de dois Estados para o conflito deve ser estabelecida desde o início. A segunda é que não se deve contar apenas com os israelitas e os palestinianos para chegarem a um acordo. As condições para a paz devem ser aplicadas e garantidas por toda a comunidade internacional. Atualmente, isto parece difícil. Mas é mais uma razão para começar. Uma tarefa em que a Europa deve participar plenamente, e não apenas como espetadora. 

*Alto Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança e Vice-Presidente da Comissão Europeia.

PUB

Adicionar um comentário

Faça o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

PUB

PUB

To Top